Ato no ABC denuncia um mês da prisão política de Lula

Atividade será na segunda (7), com concentração a partir das 15h no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo; início do ato está previsto para as 18h
 

Na segunda-feira (7/05), quando a prisão política de Lula completa um mês, os metalúrgicos do ABC farão um ato político em defesa da liberdade do ex-presidente.

A atividade reunirá representeantes das entidades e movimentos sociais que compõe as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, além de lideranças, dirigentes e parlamentares do PT e de outros partidos de esquerda e que defendem a democracia.

A  concentração começa às 15h na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (Rua João Basso, 231 – próxima ao Terminal Metropolitano Ferrazópolis), local onde Lula foi abrigado pela militância do dia 5 de abril, quando foi decretada sua prisão, até o dia 7/04, quando ele decidiu cumprir a ordem judicial. O início do ato está previsto para as 18h.

“O Sindicato é um local simbólico”, diz o secretário-geral da CUT, Sérgio Nobre, explicando porque o lugar foi escolhido para o ato nacional.

“Foi ali que o Lula se abrigou depois que soube da decretação injusta da sua prisão sem crimes nem provas. Foi no Sindicato, onde Lula diz ser sua escola e sua casa, que ele anunciou que cumpriria a decisão judicial.”

Para o dirigente, a sede da entidade, assim como o Acampamento Marisa Letícia, em Curitiba, se tornaram símbolos da resistência e da luta pela liberdade de Lula.

Mas essa luta, ressalta o secretário-geral da CUT, é dos trabalhadores e trabalhadoras de todos os cantos do Brasil. “E assim como estamos realizando manifestações em todo o país desde que nosso presidente foi preso, transformaremos o dia 7 em um dia nacional de luta de norte a sul do Brasil.”

Nesse dia, sindicalistas e trabalhadores farão panfletagens para denunciar o golpe e a prisão ilegal, inconstitucional e injusta do ex-presidente.

“7 de abril ficará marcado como o dia de defesa de Lula livre, Lula inocente, Lula presidente. E o ato no Sindicato dos Metalúrgicos faz parte dessa agenda nacional chamada pela Central”, pontua Sérgio.

A principal tarefa da CUT nesse momento, explica o secretário-geral da CUT, é lutar para ver Lula solto o quanto antes e fazer valer o direito do povo brasileiro de votar em seu maior líder, o único capaz de regastar os direitos sociais e trabalhistas usurpados pelo ilegítimo Michel Temer.

“Esse é o nosso maior instrumento de luta no momento. Essa é a nossa maior garantia de que poderemos recuperar os direitos trabalhistas roubados pelo governo golpista de Temer.”

Ação nas bases

Desde a manhã de sexta-feira (3/05), militantes se concentram na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e percorrerem as periferias com um carro de som e convocar todos aqueles que defendem a democracia e são contra a prisão política de Lula a comparecer no Sindicato dia 7 de maio.

Nos próximos dias, o Portal CUT atualizará as informações com os locais e categorias profissionais que estão organizando as panfletagens.

Confira as orientações da CUT às estaduais e ramos da Central para o dia 7 de maio:

Dia de panfletagem nacional contra o golpe e por Lula livre.

No dia 07 de maio fará um mês que o ex-presidente Lula foi preso. A CUT transformará a data em dia de panfletagem nacional para denunciar o golpe e a prisão ilegal, inconstitucional e injusta do ex-presidente.

O decreto do Juiz Sergio Moro que o levou à sua prisão escancarou o objetivo principal do golpismo: impedir que o candidato favorito nas pesquisas participe do processo eleitoral e possa, como desdobramento de sua provável vitória, reverter as medidas perversas do governo golpista, reinstaurando no país um governo comprometido com a democracia, os interesses populares e com a soberania nacional.

Vivemos hoje um processo de retrocesso político, econômico e social:

  • – o desemprego continua elevado, atingindo mais de doze milhões de pessoas;
  • – a renda caiu com o arrocho salarial e com a usurpação dos direitos históricos da classe trabalhadora efetuados com a antirreforma trabalhista;
  • – o trabalho tornou-se mais precário com a terceirização irrestrita, com os contratos de trabalho intermitente e parcial, com a ampliação do tempo de duração do trabalho temporário;
  • – as condições de vida pioraram muito com a diminuição do investimento do Estado em políticas públicas essenciais como a educação, a saúde e a segurança;
  • – os preços da gasolina, do gás, da energia elétrica continuam subindo como resultado da política nefasta de privatizações do governo golpista;
  • – a soberania nacional está em risco coma entrega de nossas riquezas à rapina de empresas multinacionais;
  • – nossa segurança alimentar está sendo comprometida com a destruição das políticas de incentivo à agricultura familiar, responsável pela produção da maior parte dos nossos alimentos.

Para reverter esse quadro, é essencial fortalecer a campanha Lula livre, Lula inocente, Lula presidente. Eleito, implantará um programa de governo que resgatará a democracia colocará o Brasil em outro patamar de desenvolvimento.

Portanto, nossa principal tarefa, neste momento, é lutar por sua liberdade e fazer valer o direito do povo brasileiro de votar no seu maior líder, nas eleições presidenciais de outubro.

Para dar continuidade a esta luta, transformaremos o dia 7 de maio em dia de panfletagem nacional em defesa de Lula livre, Lula inocente, Lula presidente!

Orientamos os sindicatos CUTistas a organizarem a panfletagem nos locais de trabalho, nas estações de metrô e de trem, nos terminais de ônibus, nos locais de maior circulação, nos bairros e comunidades das capitais e cidades do interior.

Lula livre, Lula inocente, Lula presidente!

Nenhum direito a menos.

Emprego para todos

Melhores salários

Melhores condições de vida

Clique aqui para confirmar sua presença no Ato #LulaLivre.

(com informações do Portal da CUT, via Agência PT de Notícias)

 Imagem: Reprodução / PT DM São Paulo

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *