18.04.2017
José Mentor destaca enorme rejeição popular à reforma da Previdência

Avaliação do petista sobre a impopularidade da reforma de Temer pôde ser comprovada por meio da pesquisa CUT/Vox Populli, divulgada na semana passada

 

O deputado José Mentor (PT-SP) disse nesta terça-feira (18) que as dificuldades que o governo ilegítimo de Temer enfrenta para apresentar a versão final da reforma da Previdência (PEC 287/16), na comissão que debate o tema na Câmara, é resultado da “enorme rejeição popular à proposta”. Segundo ele, esse é o motivo do relator Arthur Maia (PPS-BA) estar adiando sucessivamente a apresentação do parecer. A primeira data foi marcada para a última quarta-feira (12), remarcada para hoje, e novamente adiada para esta quarta-feira (19).

“A estratégia de comunicação dos partidos de oposição (entre eles o PT), e dos movimentos sociais e centrais sindicais para informar a sociedade sobre os malefícios da reforma resultaram na situação que vemos hoje. O governo está com muita dificuldade de construir uma nova proposta que possa angariar o apoio da população e o voto dos parlamentares”, explicou.

A avaliação do petista sobre a impopularidade da reforma de Temer pôde ser comprovada por meio da pesquisa CUT/Vox Populli, divulgada na semana passada. Segundo o levantamento, 93% da população rejeita o aumento da idade da aposentadoria para 65 anos e do tempo de contribuição de 15 para 25 anos. As duas propostas são a base da reforma de Temer. Apenas 5% concordam com as medidas, enquanto 2% se mostraram indiferentes.

O deputado José Mentor observou ainda que nem mesmo a tentativa de reformular alguns pontos da proposta pode garantir ao governo a aprovação da proposta na comissão, ou mesmo se for levada a votação no plenário.

“Apesar das notícias que correm pela imprensa, de que o governo vai reduzir o tempo para aposentadoria integral e amenizar as exigências para aposentadoria das mulheres e para o acesso ao BPC, a proposta do governo é tão ruim que eu acho difícil ser apresentado um relatório com algo que se aproveite”, fulminou.

(informações de Héber Carvalho/PT na Câmara)

Foto: Reprodução/Antonio Augusto-PT na Câmara